UNITA pede intervenção do Tribunal Contas para escrutinar orçamento da Assembleia Nacional


A atribuição do alegado subsídio ao presidente da Assembleia Nacional mereceu o repúdio do grupo parlamentar da UNITA (União Nacional para a Independência Total de Angola), principal partido da oposição angolana, que questionou o valor da verba e pressionou o Parlamento a esclarecer a situação.

 

Reagindo ao esclarecimento da Assembleia Nacional, o grupo parlamentar da UNITA apela à boa gestão e transparência.

 

Segundo a DW África, os deputados do maior partido da oposição consideram mesmo que há necessidade da intervenção do Tribunal de Contas "para se apurar os factos sobre as contas da Assembleia Nacional, e outros fundos ligados ao erário".

 

Navita Ngolo, deputada da UNITA, considera que o caso escandalizou a população porque a maior parte dos angolanos não beneficia da riqueza do país: "Se a riqueza angolana fosse transformada em ativos tangíveis e distribuída por todos os angolanos, não estaríamos a perder tempo a inventar inimigos ou gatunos onde não há gatunos. Está esclarecido que há erro, que haja responsabilidade".