Tribunal espanhol decide hoje extradição de Carlos Panzo


O antigo secretário para os Assuntos Económicos do Presidente da República de Angola Carlos Panzo vai ser ouvido esta quinta-feira pela Audiência Nacional espanhola, que terá de decidir sobre a sua extradição para Luanda.

Fonte deste tribunal especial espanhol, que trata deste tipo de casos, disse à agência Lusa que se espera a comparecência de Carlos Panzo, que está em liberdade condicional, e que a decisão sobre o pedido de extradição deverá ser tomada nos dias seguintes.

O Ministério Público espanhol instaurou em novembro de 2017 um processo contra Carlos Panzo, antigo  secretário para os Assuntos Económicos do Presidente da República, João Lourenço, que o tinha exonerado em outubro do mesmo ano.

Segundo a Procuradoria-geral da República de Angola, está em curso um "inquérito para apuramento de uma denúncia sobre factos penalmente puníveis", nos termos do direito internacional.

De acordo com a imprensa angolana, Carlos Panzo está a ser investigado na sequência de uma denúncia em como teria recebido comissões no valor total de 11 milhões de dólares, pagos por uma empresa brasileira, a Odebrecht, em várias tranches, através de uma conta bancária na Suíça.

Carlos Aires da Fonseca Panzo (nome completo) foi inicialmente detido em Espanha em setembro do ano passado a pedido da PGR angolana.

O caso Odebrecht é uma investigação iniciada pelo Ministério da Justiça dos Estados Unidos, juntamente com outros 10 países latino-americanos, sobre a construtora brasileira Odebrecht.

Essa empresa teria, nos últimos 20 anos e para obter contratos de direito público, subornado e feito pagamentos a Presidentes, ex-Presidentes e autoridades governamentais em 12 países: Angola, Argentina, Colômbia, Equador, Guatemala, México, Moçambique, Panamá, Peru, República Dominicana, Estados Unidos e Venezuela.