Rácio de Sovabilidade Regulamentar do BNI manteve-se em 16.1% em 2019


O Banco de Negócios Internacional (BNI) realizou a sua Assembleia Geral no passado dia 08 de Maio,  na qual foram aprovadas as Contas e apreciado o Relatório de Gestão referentes ao Exercício de 2019.

Segundo o apurado, dentre os principais indicadores que marcaram a actividade no referido ano, destaque para o Activo Líquido de Kz 377.8 mil milhões (crescimento anual de 25%), onde as rubricas de maior peso foram a Carteira de Títulos, com um total de kz 123.2 mil milhões (crescimento anual de 16%) e a Carteira de Crédito, com um total de Kz 124.4 mil milhões (crescimento anual de 7%). Os Recursos de Clientes totalizaram Kz 310.7 mil milhões (crescimento anual de 22%), reflectindo um Rácio de Transformação de 40%.

Foi igualmente destaque o Resultado Líquido de Kz 2.5 mil milhões, o qual foi impactado pelo adiamento do processo de alienação da participação no BNI Europa, assim como pela incorporação dos ajustes recomendados pelo programa de Avaliação da Qualidade dos Activos, promovido pelo Banco Nacional de Angola em 2018, do qual foram alvo os 13 maiores bancos do mercado. Dentre os principais rácios de rentabilidade, destaque para o Rácio de Eficiência (cost to income), de 43.3%, e para o Return On Equity (ROE) de 6.6%. 

No que toca à solidez, os Fundos Próprios Regulamentares totalizaram Kz 37.6 mil milhões e o Rácio de Sovabilidade Regulamentar (RSR) manteve-se em 16.1%.

A Administração liderada por Mário Palhares está “satisfeita com os resultados obtidos e confiante que no futuro o Banco BNI reforçará o seu papel como agente financeiro relevante para a diversificação da economia em Angola e para o apoio aos seus empresários”.

Criado em 2006, e com sede em Luanda, o BNI é um banco que actua nos segmentos particulares, empresas e institucionais, prestando um serviço financeiro global. Com operações em Angola e Portugal, o BNI conta actualmente com 15 accionistas.