Negócios da ExxonMobil em África estão em queda


Embora tenha investido recentemente em perfuração offshore no Golfo da Guiné, a maior empresa de petróleo do mundo ocidental está em queda.

A presença da gigante americana de petróleo ExxonMobil na África continua a encolher. Informações do site África Intelligence indicam que no ano passado foi um dos piores que a empresa experimentou em várias décadas.

No espaço de quatro anos, a sua produção caiu 40%, para apenas 372.000 b / d, em comparação com 529.000 b / d em 2015. Na Nigéria e Angola, os dois maiores países de operação da multinacional, a produção caiu 100.000 b / d e 40.000 b / d, principalmente por causa da queda nos preços do petróleo bruto, que não tiveram destaque nos últimos tempos.

O único ponto positivo em
África para a empresa é a Guiné Equatorial, onde perfurou quatro novos poços, incluindo o campo de Zafiro no ano passado, aumentando a produção em quase 30%.

De acordo com o apurado, a ExxonMobil está a retirar a maioria das suas posições africanas de longa data e está com pressa para descarregar os activos produtivos na Guiné Equatorial e no Tchad.

As descobertas recentes em São Tomé e Príncipe, África do Sul, Gana e Namíbia estão nos estágios iniciais de exploração. Moçambique, onde está em parceria com a ENI no Bloco 4, ainda está longe de qualquer decisão final de investimento nos dois trens terrestres em Cabo Delgado.