"Não vou doar para a luta contra a covid-19, faço o que quero com o meu dinheiro"


Adebayor deixou bem claro que não vai doar dinheiro para ajudar na luta contra a pandemia e lamenta estar a ser acusado de introduzir a covid-19 na cidade do Togo onde está a cumprir o confinamento.

Emmanuel Adebayor recusa-se a doar dinheiro para a luta contra a covid-19 e deixou essa convicção bem expressa. O avançado do Olimpia, do Paraguai, diz que faz o que quer com o dinheiro que tem e ninguém o vai fazer mudar de ideias.

"Para todos os que dizem que não vou doar dinheiro, vou ser muito claro: não dou mesmo. É muito simples. Faço o que quero e como quero. Há sempre pessoas que vão dizer que não fiz uma doação em Lomé", atirou o jogador que está a cumprir isolamento precisamente na cidade de Lomé, no Togo, de onde é natural.


Adebayor teve de fazer escala em França e no Benin na viagem do Paraguai para o Togo, segundo o AS. E na cidade onde está agora a residir já há 88 infetados e seis mortes por coronavírus, o que tem levado algumas pessoas a acusar o ex-Real Madrid, Mónaco e Manchester City, Arsenal e Tottenham de ter levado o SARS-CoV-2 para aquela região.

"Algumas pessoas pensam que fui eu a introduzir o vírus em Lomé. É muito triste que pensem assim, mas este país é assim. Podem comparar-me com o Eto'o ou com o Drogba, mas eu infelizmente não sou um deles. Sou Emmanuel Sheyi Adebayor e vou fazer sempre o que quiser", afirmou o dianteiro de 36 anos.

O Jogo