Ministra das Finanças nomeia Comissão para privatizar cervejeiras CUCA, EKA e Ngola


A Ministra das Finanças Vera Daves, nomeou recentemente a Comissão de Negociação do Concurso Público para a Privatização das Participações Sociais do Estado nas Cervejeiras CUCA, EKA e Ngola.

Segundo a edição de 11 de Maio do Diário da República, as Finanças Públicas já têm aprovado o o Anúncio, o Programa e o Caderno de Encargos e subdelegam plenos poderes ao Presidente do Conselho de Administração do Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado, Patrício Vilar Bicudo, para a condução do referido procedimento de privatização, bem como para praticar todos os actos decisórios e de gestão necessários, incluindo a celebração dos Contratos, com as entidades adjudicatárias.

CUCA, EKA e Ngola fazem parte do Grupo Castel Angola, um dos maiores Grupos cervejeiros de Africa. A gigante de bebidas começou operar em Angola no ano de 1994 quando reabilitou e começou a gestão da Fábrica da Cuca. Com o seu crecimento no território nacional em 2004, inaugurou a Fábrica  SOBA em Benguela (Catumbela), posteriormente em 2005 a assumiu a gestão da Fábrica da NOCAL SA aumentando assim o portfólio.

Nesta mesma senda começa a gerir também a Fábrica da EKA SA, passando a deter deste modo todas as principais marcas de Cerveja Nacionais.

Reforçando a sua posição a nivel nacional foi inaugurada em Cabinda a fábrica da CERBAB em 2008 e no mesmo ano a fábrica da COBEJE, ambas construídas de raiz, para depois reforçar a sua presença na zona sul de Angola em 2009 assumindo a gestão da fábrica da Nocebo.

Recorde-se que a participação do Estado nestes cervejeiras é de apenas 10%, sendo maior parte do capital detido pelos franceses do Grupo Castel e pela GEFI, a Holding do MPLA.