Milhares de atletas podem ter sido infetados em Wuhan no final de outubro


Cidade chinesa recebeu Jogos Mundiais Militares e membros da comitiva francesa dizem ter adoecido.

 A pandemia do novo coronavírus surgiu num mercado da cidade chinesa de Wuhan e os primeiros sinais da doença foram oficialmente identificados em dezembro de 2019. Contudo, uma entrevista de uma atleta e militar francesa a um canal de televisão do seu país levanta a hipótese de a covid-19 já estar presente naquela cidade em outubro. E, segundo o 'Le Parisien', milhares de atletas que participaram nos Jogos Mundiais Militares de 2019, competição para atletas com carreira militar que decorreu em Wuhan entre os dias 18 e 27 desse mês, podem ter sido infetados nessa altura.

Elodie Clouvel venceu a medalha de ouro no pentatlo moderno e a 25 de março contou à 'Television Loire 7' que quase todos os membros da comitiva gaulesa ficaram doentes após o regresso da China. "Estivemos em Wuhan e depois disso ficámos todos doentes. O Valentin [n.d.r.: Valentin Belaud, companheiro de Elodie e também atleta] perdeu três dias de treinos. Eu também estava doente e senti coisas que não tinha antes. Na altura não estávamos muito preocupados porque ainda não se falava no coronavírus", revelou.

Mas Elodie foi ainda mais longe. "Muitos atletas dos Jogos estavam muito doentes. E recentemente o médico militar disse-nos: 'acho que vocês tiveram o vírus porque na nossa delegação muitas pessoas estavam doentes'". Já esta terça-feira, um dos 281 atletas franceses que estiveram em Wuhan falou de forma anónima à 'BFM TV' e admitiu ter adoecido "tal como muitos membros da comitiva".

O 'Le Parisien' tentou falar com Elodie Clouvel, mas depois da polémica entrevista "a maioria dos atletas foi solicitada a parar de responder a jornalistas sobre o assunto". O jornal francês adianta também que vários membros da equipa sueca apresentaram febres altas quando regressaram de Wuhan.

Segundo dados oficiais, 9.308 atletas de 109 países participaram na 7.ª edição da competição. E por isso um uma eventual presença do vírus já naquela altura pode ter acelerado a propagação da covid-19.

Record