Jogos olímpicos de Tóquio sem riscos de ameaça


Deixando claro que os Jogos de Tóquio 2020 não estão ameaçados, o Comité Olímpico Internacional (COI) admitiu que tem “um óptimo trabalho de comunicação” pela frente para informar que não há riscos em relação à epidemia de coronavírus, que já causou 1400 mortes, a maioria na China.


A primeira morte no Japão de uma pessoa contaminada foi anunciada na quinta-feira, uma mulher de 80 anos que morava em uma região perto de Tóquio.  Com 33 casos no país e mais de 200 pessoas em quarentena, em um navio perto de Yokohama, o Japão é o país mais afectado depois da China.

 

“O conselho que recebemos da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que não há razão para fazer um plano de emergência para o cancelamento ou a realocação dos Jogos”, disse John Coates, presidente do comité de coordenação do COI, em entrevista colectiva.


“Mas é claro que há um óptimo trabalho de comunicação a ser feito”, acrescentou o dirigente, referindo-se a um possível medo entre os atletas em relação à delegação chinesa, que deverá ter 600 atletas em Tóquio.


“O COI enviará kits de informações a todos os comités olímpicos nacionais, para explicar o que acontece onde atletas chineses competem”, prosseguiu o australiano.
Coates enfatizou que as lições dos Jogos Rio-2016 serão úteis. Há quatro anos, a preocupação que surgiu com o vírus Zika causou o abandono de vários atletas, incluindo os golfistas Jason Day e Rory McIlroy.


Na passada quinta-feira, o presidente do comité organizador dos Jogos de Tóquio, Yoshiro Mori, criticou “os rumores irresponsáveis”, insistindo que não havia planos de “adiar ou cancelar os Jogos” devido à epidemia.  “Queremos coordenar com o governo nacional e reagir com calma”, acrescentou.

...

Arbitros angolanos fora do CHAN

A Confederação Africana de Futebol (CAF) publicou domingo a lista de árbitros selecionados para a 6ª edição do Campeonato Total das Nações Africanas de 2020, exclusivo para jogadores dos respectivos campeonatos nacionais, a ser disputado de 4 a 25 de Abril, nos Camarões.

Faltando dois meses para o início da competição, a CAF selecionou 22 árbitros e 20 assistentes, sem qualquer angolano, para um curso preparatório realizado  no Cairo, Egito, focado principalmente em árbitros assistentes por vídeo (VAR), que será aplicado na fase de quartos de final da competição.

 Será a primeira vez na história do torneio que o VAR será usado após testes de simulação bem-sucedidos durante a edição anterior em 2018 no Marrocos.

Sob a supervisão do diretor de arbitragem da CAF, Eddy Maillet e uma equipa de instrutores experientes, incluindo Jerome Damon (África do Sul), Doue Noumandiez Desire (Costa do Marfim), Lim Kee Chong (Maurícias), Essam Abdel Fattah (Egipto), Mademba Mbacke e Mohamed Houssein Ali (Djibuti), os participantes foram submetidos a exercícios simulados para ter uma noção prática do sistema que envolve o uso da tecnologia.

Também houve sessões teóricas centradas em áreas como preparação para jogos, leitura do jogo, entre outras críticas ao processo de tomada de decisão em um jogo.

Enquanto isso, o sorteio para o torneio final que não terá a participação dos Palancas Negras, nem de qualquer árbitro angolano, foi marcado para segunda-feira, 17 de Fevereiro de 2020, no Palais Polyvalent des Sports de Yaoundé, na capital camaronesa, Yaounde, às 19H00, horário local (18H00 GMT).