Irmã de João Lourenço deixa estrutura accionista da Dicorp


Edith do Sacramento Gonçalves Lourenço Catraio, irmã do Presidente da República João Lourenço, desfez-se recentemente das acções que detinha na mineradora Dicorp.

Segundo o site África Intelligence, tanto Aldemiro Vaz da Conceição, que havia servido como porta-voz do ex-presidente José Eduardo dos Santos, como Edith Catraio, venderam todas as suas acções na Dicorp no mesmo dia, no início de janeiro do presente ano.

O empresário português Paulo Jorge Mariano Domingos possui uma participação maiorotaria da Dicorp, empresa que controla 80% do capital social da SMF, por meio de sua empresa TadiAfrica.

Jorge Domingos entrou no sector dos diamantes num momento decisivo para a indústria. Desde a chegada de João Lourenço ao poder em 2018, houve um esforço conjunto para trazer novos rostos a um sector que era amplamente dominado por pessoas próximas ao anterior presidente, enquanto o país aguarda maiores reformas no funcionamento geral de todo o sector da mineração.

O empresário português chefia o HiperMaquinas Group (HMG), um conglomerado industrial multinacional com mais de 1.000 funcionários espalhados por Angola, Moçambique, Portugal e China, e agora incluindo o SMF.

É ainda o principal extractor e processador de pedras naturais ornamentais, como granito e mármore, em Angola: em 2017, a HMG produziu 1.353 m3 de granito preto, representando 38% da produção nacional.

A empresa afirma ser o maior exportador de Angola dessas pedras para a China, os Estados Unidos e vários mercados europeus. Mais recentemente, o grupo quer expandir a sua presença no mercado africano. Já exporta para o Congo e pretende tornar-se um dos principais fornecedores de pedras ornamentais para o mercado da construção em todo o continente africano.