Exploração de petróleo no Baixo Congo provoca braço de ferro entre Lourenço e Tshisekedi


O Presidente congolês Felix Tshisekedi está aborrecido com o ritmo lento das negociações com o seu homólogo angolano João Lourenço sobre a partilha da produção de petróleo ao largo da sua costa, noticiou recentemente a Jeune Afrique,   revista semanal de notícias pan-africana.

De acordo com a publicação editada na capital francesa, enquanto a República Democrática do Congo reclama, desde 2003, uma parte da exploração do petróleo angolano em sua costa, Félix Tshisekedi está aborrecido com o curso das negociações entre Luanda e Kinshasa.

Em Janeiro do corrente ano os dois estadistas reuniram-se na cidade de Benguela, onde  abordaram  a exploração petrolífera na Zona de Interesse Comum (ZIC) dos dois países e acordaram que as equipas técnicas de Angola e da RDC  vão reunir-se para estabelecerem o cronograma de acções necessárias para a implementação de um projeto conjunto.  

Situada na fronteira marítima entre Angola e a República Democrática do Congo, a Bacia do Baixo Congo é uma região rica em petróleo explorada pelos dois países. Entretanto, com a expansão das perfurações, a demarcação dos limites de cada país não está clara.

Angola e RDC tentam uma solução diplomática para o impasse, estando a região de fronteira marítima entre os dois países sob avaliação da Organização das Nações Unidas.