"BPC representa risco sistémico na banca nacional"


O Banco de Poupança e Crédito,  representa um risco sistémico na banca nacional, estando a sua sobrevivência, dependente do sucesso do programa de reestruturação em curso, concluíram os auditores da Crowe. 

Segundo o Jornal de Angola, entre as medidas já aprovadas pelo accionista e que o auditor ressalta, consta a entrada de novos accionistas no capital do banco, que se poderá concretizar através da subscrição de Obrigações Indexadas no montante de 544.735 milhões de kwanzas e dinheiro vivo num valor de 15 mil milhões.

De acordo com a fonte, o resultado líquido individual do banco, no exercício económico de 2019, saldou-se em 403.731 milhões de kwanzas negativos, bem acima dos 26.852 milhões de kwanzas de 2018. Os Fundos Próprios também são negativos, fixados em 82.119 milhões de kwanzas.