África do Sul vai criar uma nova companhia aérea de bandeira


A África do Sul está a tentar criar uma nova e próspera companhia aérea nacional em substituição da sua actual companhia estatal, tecnicamente insolvente e prestes a ser colocada em liquidação.

Segundo o canal África News, a SAA não registou qualquer lucro desde 2011 e sobreviveu através de resgates do governo.

Um substituto ideal para a South African Airways teria proprietários públicos e privados, manteria as conexões comerciais do país e obteria lucro, disse o departamento de empresas públicas em comunicado divulgado recentemente.

A transportadora  está sob resgate desde Dezembro do ano passado. Fontes do governo sul-africano revelaram que a companhia  pode não sobreviver além do final do mês, e as opções restantes são uma liquidação forçada ou um processo de liquidação.

Todos os seus voos foram suspensos desde que a África do Sul fechou as suas fronteiras e entrou em Março num bloqueio nacional de cinco semanas, o que tornou ainda mais incerta a sobrevivência da SAA, que emprega 5.200 funcionários.

Os problemas da companhia aérea pioraram ainda mais no mês passado, quando o governo da nação Aro-íris recusou-se a pagar mais 10 bilhões de rands (531 milhões de dólares) em ajuda de emergência à empresa.

"As partes interessadas (...) concordaram em uma visão e estratégia de longo prazo", com o objectivo de "criar uma nova companhia aérea dinâmica", disse o ministro de empresas públicas Pravin Gordhan.

O ministro disse que não será a antigo SAA, mas o começo de uma nova jornada em direcção à constituição de uma nova empresa reestruturada que será o novo padrão da África do Sul. A nova transportadora deve competir no mundo pós-Covid-19. Segundo o comunicado, os funcionários da SAA serão transferidos e serão procurados novos parceiros para a  liderança e gestão do seu património.

O fim da SAA marcaria o fim da era para a companhia aérea criada há  86 anos, que havia passado por anos de problemas financeiros associados associados à má administração.